Nunca deixe de ser um aprendiz

Com o “vovô” aluno da A Liga Digital, Jurandi Pinangé, aprendemos na edição deste podcast, como ele está usando o marketing digital. Artigo criado por alunos sobre os podcasts da A Liga Digital.

Por: Rafaela Gonzaga Edição: Mieko Miyai

“Aos meus 56 anos com minha aposentadoria ainda não caminhada, precisava de novos horizontes, que vieram quando minha filha me indicou A Liga Digital”, nos conta durante o podcast ao Lilian pergunta como conheceu A Liga.

O Movimento A Liga Digital

Diante do contexto de dar aos jovens oportunidades, A Liga Digital foi criada. É uma possibilidade de escolher caminhos ou ainda de ter alternativas para um futuro melhor.

Possibilidade versus Realidade

“Preciso ajudar os jovens a olharem o mercado de trabalho com uma perspectiva do futuro, que falamos de formação com um contexto social, econômico. Onde todas as possibilidades são esperadas”, diz Lilian ao explicar como ela conscientiza os jovens da realidade da formação os auxiliando a criar perspectivas com base nos sonhos e as disponibilidades.

“Com 18 anos eu tinha acabado a escola técnica e precisava trabalhar, estudar tudo isso conciliando com a vida social e o casamento, então eu não tinha tempo e nem dinheiro para cursar algo integral que estava dentro dos meus sonhos”, responde Jurandi ao contar sua própria experiência e contexto da realidade de sua própria formação.

Curso 100% online

Com outras experiências em aulas a distância Jurandi diz que “só precisa de adaptação, e na verdade o nível de conteúdo e as atividades são mais trabalhosas do que alguns cursos que já havia tido experiência”.

Na verdade, ele se adaptou maravilhosamente bem ao encontrar um equilíbrio de comunicação e tempo, transformando algo que acreditamos extremamente necessário que seria a presença na aula a um cotidiano totalmente virtual e digital.

Os lados diferentes do digital

Um exemplo muito bom éque tem sempre seu lado bom trazendo a interatividade, agilidade e soluções. Ou seja, você pode conversar com qualquer pessoa do mundo. Porém, por outro lado, antes de tudo isso, temos as pessoasque têm problemas, emoções e expectativas com relação a tecnologia. E que de acordo com a sua posição social, pode ou não ganhar com ela, aliás, em muitos casos, a falta de acesso gera a exclusão social. 

Educar é fascinante e aprender também

Sua fala nos motiva: “um adolescente de 17 anos [como ele se sente] em um nível de entusiasmo, mas ao ouvir, analisar e entender o conteúdo, eu retomo minha maturidade adquirida com os anos mais agora de uma maneira revigorada de ser primeiramente um aprendiz para depois me tornar um mentor”. E com isso, entendemos como a educação, seja em qual nível for, básico ou técnico, influencia e muda horizontes, fascina!

Perspectiva de um futuro

Ver alguém que é impactado com os estereótipos do mercado de trabalho, no caso dele, a idade avançada, faz com que muitos outros se motivem, primeiro a mudar o cenário e, segundo que mesmo com dificuldades, uma realidade diferente é possível.

Além dos sonhos, entendemos que o mercado de e-commerce pode ser uma oportunidade e, que através de um novo negócio fazemos nossa parte para mudar o cenário econômico, ainda mais pós-pandemia.

E Quer ouvir este episódio?  Bóra!  #DeuLiga

A Rafa Gonzaga tem 15 anos, estudante do ensino médio, além de ser aluna da Liga Digital e do Programa de Trabalho Educativo. Seu sonho? Uma ONG para inserir menores vulneráveis na sociedade e daí a profissão que ela quer seguir: psicologia. Acredita no amor e, sua mãe e irmãs são sua grande paixão. Da dança a leitura, da escrita a alegria de comprar à ganhar livros. Essa é a Rafa.



Deixe uma resposta

Os campos obrigatórios estão marcados